Cadastre-se grátis!
Receba informativos diários do MN1 no seu E-mail!

X

  • Google+
  • YouTube
  • Instagram
  • Facebook
  • Twitter
  • Linkedin
  • Skype
  • Whatsapp
Paulinelly Construções
Arquia
Eudes Fonseca
Comercial Rocha

Notícias
MN1

MN1 Notícias - Alertas, Celebridades, Ciência, Cinema, Curiosidades, Dicas, Entretenimento, Espaço, Esportes, Games, Internet, Moda, Pesquisas, Polêmicas, Religião, Saúde, Segurança na WEB, Tecnologia, Vídeos da WEB e Muito Mais!

Notícias
+ Lidas

04/12/2017 às 16h08

Professor denuncia menino com síndrome de Down por terrorismo

Do: O Globo

Visto por 111 pessoa(s).

Misael Lima Postado Por:
Misael Lima
www.facebook.com/MisaeLLima01

Maher Suleiman denuncia preconceito em investigação contra filho com síndrome de Down - Reprodução vídeo

Maher Suleiman denuncia preconceito em investigação contra filho com síndrome de Down - Reprodução vídeo

Investigada, família afirma que criança de 6 anos mal sabe falar: '100% discriminação'


A denúncia de um professor substituto levou a polícia americana a investigar um menino muçulmano com síndrome de Down de apenas 6 anos por terrorismo. As autoridades lançaram a investigação após Mohammad Suleiman supostamente repetir as palavras "Allah" e "boom" na sala de aula. Seus pais, que moram ao sul de Houston, afirmaram que a denúncia não pode ser verdade já que a criança mal fala e tem a capacidade mental de um bebê de 1 ano. Eles afirmaram ser vítimas de preconceito. 

— As últimas três semanas foram as piores de minha vida — contou Maher Suleiman, pai do menino, ao canal Fox News — Minha mulher e meus filhos estão chorando há dias, e eu disse a eles que está tudo bem. Mohammad nasceu com síndrome de Down. Ele precisa de ajuda o tempo todo.

O pai de Mohammad disse que a família vem vivendo um inferno por ser alvo de investigações da polícia e do serviço social americano.

— Eles dizem que ele é um terrorista. É tão estúpido, é um preconceito. Não é uma discriminação implícita, é 100% discriminação.

O professor substituía um titular da escola elementar CJ Harris quando fez a denúncia. Um porta-voz do distrito educacional disse que não seria possível divulgar mais informações sobre o caso devido às leis de privacidade dos alunos. Já a polícia da cidade de Pearland, onde a família mora, disse que concluiu a investigação e não encontrou evidências que levem a ações posteriores. Porém, o serviço de proteção à infância da região disse que o inquérito continua aberto.

voltar

  • Google+
  • YouTube
  • Instagram
  • Facebook
  • Twitter
  • Linkedin
  • Skype
  • Whatsapp
Ir para o topo