Cadastre-se grátis!
Receba informativos diários do MN1 no seu E-mail!

X

  • Google+
  • YouTube
  • Instagram
  • Facebook
  • Twitter
  • Linkedin
  • Skype
  • Whatsapp
Paulinelly Construções
Comercial Rocha

Notícias
MN1

MN1 Notícias - Alertas, Celebridades, Ciência, Cinema, Curiosidades, Dicas, Entretenimento, Espaço, Esportes, Games, Internet, Moda, Pesquisas, Polêmicas, Religião, Saúde, Segurança na WEB, Tecnologia, Vídeos da WEB e Muito Mais!

Notícias
+ Lidas

19/01/2018 às 16h09

Foragido, suspeito de roubos de combustíveis que postou 'nem polícia localiza' é preso em Goiânia

Do: G1 GO

Visto por 144 pessoa(s).

Misael Lima Postado Por:
Misael Lima
www.facebook.com/MisaeLLima01

Suspeito que postou foto na praia dizendo 'nem polícia localiza' é preso em Goiânia (Foto: Reprodução/Polícia Civil)

Suspeito que postou foto na praia dizendo 'nem polícia localiza' é preso em Goiânia (Foto: Reprodução/Polícia Civil)

Delegado considerou postagem 'afronta' ao trabalho da Polícia Civil. Segundo corporação, homem foi encontrado dentro de casa para cachorro.


Suspeito de furto, roubo e receptação de combustíveis foi preso, nesta sexta-feira (19), após postar nas redes sociais uma foto com a frase “Nem polícia localiza”. A Polícia Civil informou que ele foi detido escondido em uma casa para cachorro, em uma residência no Jardim Novo Mundo, em Goiânia.

O G1 não localizou a defesa do preso para comentar o caso.

Segundo informações da Polícia Civil, a postagem foi feita no último dia 10 de janeiro, enquanto o suspeito estava na praia. A data é a mesma em que foi deflagrada a Operação Líquido Dourado, quando 12 pessoas foram presas por furto, receptação, organização criminosa, estocagem e armazenagem irregular de combustível. Titular da Delegacia Estadual de Repressão a Furtos e Roubos de Cargas (Decar), Alexandre Bruno, considerou a atitude do homem uma “afronta ao trabalho da polícia”.

Ainda conforme a corporação, o preso é suspeito de liderar a quadrilha que teria causado prejuízo de R$ 22 milhões em combustíveis. As investigações duraram cerca de um ano e identificaram mais de 50 crimes.

De acordo com informações da Polícia Civil, o grupo agia da seguinte forma: os motoristas de caminhões que levavam os combustíveis paravam os veículos no caminho, repassavam os combustíveis para os donos de postos e registravam uma ocorrência policial como se tivessem sido assaltados.

voltar

  • Google+
  • YouTube
  • Instagram
  • Facebook
  • Twitter
  • Linkedin
  • Skype
  • Whatsapp
Ir para o topo